ÁREA DO ASSOCIADO

  • Conectar-se
  • PNUD reconhece Aegea como empresa que promove mercado inclusivo no saneamento

    26/11/2015

    A Aegea está entre as empresas selecionadas como estudos de caso do primeiro relatório sobre o ecossistema de negócios inclusivos no Brasil, uma publicação do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O relatório, intitulado Mercados inclusivos no Brasil: desafios e oportunidades do ecossistema de negócios, faz parte de um esforço global criado em 2014 pelo PNUD, a Iniciativa Incluir, que visa estimular mercados e os diversos atores a compreender como negócios inclusivos podem colaborar para a inclusão social no país.

    De acordo com a Iniciativa Incluir, negócios inclusivos são aqueles que buscam desenvolver habilidades para que as pessoas de menor renda possam produzir bens e serviços que o mercado demanda, além de ampliar conexões entre o desenvolvimento econômico e social e reconectar o retorno financeiro com o progresso social. São modelos de negócios comercialmente viáveis e replicáveis que incluem os consumidores de baixa renda, varejistas, fornecedores ou distribuidores em operações centrais.

    A natureza do negócio da AEGEA, que atua como concessionária de serviços públicos de saneamento em 41 municípios, é um exemplo de como um modelo de negócio bem estruturado pode conciliar avanços tecnológicos, investimentos constantes na evolução das redes e atendimento de qualidade a toda população.

    “Nós sabemos da enorme importância do saneamento: a água tratada, que é o produto da nossa atuação, está no sangue da população. A ausência do saneamento pode acarretar doenças e, decorrência disso, afetar o desempenho na escola e prejudicar a produtividade do trabalhador, além de impactar negativamente na valorização dos imóveis e na exploração do potencial turísticos de regiões, devido à falta de coleta e tratamento de esgoto. Dessa maneira, uma gestão sustentável que contemple todos os habitantes dos municípios é fundamental para o desenvolvimento do País”, diz Hamilton Amadeo, CEO da Aegea.

    A companhia atende hoje mais de 3,6 milhões de pessoas, das quais aproximadamente 285 mil recebem até um salário mínimo por mês. Para atender a este grupo de usuários, a empresa possui um conjunto de normas especiais adequadas ao seu perfil econômico. Dentre estas regras, estão as taxas reduzidas para a instalação da conexão de água e esgoto em residências localizadas em ruas não pavimentadas e a Tarifa Social, que oferece desconto de 50% nas contas de água e de esgoto.

    Atender a população de mais baixa renda, sob normas especiais, viabiliza melhores condições de moradia e saúde, o que impacta diretamente na produtividade, no trabalho e na escola. Em Campo Grande (MS), por exemplo, um estudo que cruza dados registrados no Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS) com informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra os impactos do saneamento na saúde da população.

    O levantamento apontou que, no ano de 2003, a taxa de internação por diarreias em Campo Grande era de 157,4 a cada 100 mil habitantes. Já em 2013, quando a segunda fase do programa de saneamento foi concluída, o número caiu para 22,2 a cada 100 mil habitantes. Houve também redução nos gastos do SUS com internações por este tipo de doença na capital no mesmo período. Passou de R$ 48.336,37 por 100 mil habitantes em 2003 para R$ 10.618,12 em 2013, número 78,04% menor.

    Para a elaboração do relatório, foram analisados 19 estudos de caso de negócios inclusivos, selecionados por um comitê de especialistas e produzidos por cinco escolas de negócio e pela equipe do PNUD, no período entre outubro de 2014 e abril de 2015, obedecendo a orientações do Istanbul International Center for Private Sector in Development (IICPSD).  O relatório foi lançado em setembro de 2015.

    Serviço

    Mercados inclusivos no Brasil: desafios e oportunidades do ecossistema de negócios é o primeiro estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) voltado especificamente para os mercados inclusivos no Brasil.

    O documento está disponível neste link.

    Compartilhe: