ÁREA DO ASSOCIADO

  • Conectar-se
  • Piauí vai buscar parceiro privado para água e esgoto

    14/10/2015

    Por MARIA CRISTINA FRIAS – cristina.frias@uol.com.br. Publicado pela Folha de S. Paulo em 7 de outubro

    O governo do Piauí planeja lançar uma PPP (parceria público-privada) para investimentos na ampliação dos sistemas de água e esgoto da capital e de ao menos mais seis cidades do interior.

    Para universalizar a distribuição de água e a rede de captação de efluentes apenas em Teresina serão necessários R$ 1,7 bilhão em aportes.

    O trabalho é feito hoje pela Agespisa, uma empresa de economia mista que tem o governo estadual como principal acionista e controlador.

    “A empresa registrou no ano passado um prejuízo de R$ 75 milhões e tem grandes dificuldades para conseguir tomar recursos”, diz Herbert Buenos Aires de Carvalho, diretor da autarquia criada para a transição do sistema.

    Pelo modelo de concessão, o parceiro privado ficará responsável pelos investimentos e será remunerado com tarifas cobradas pelo serviço pelo prazo de 32 anos.

    A Agespisa não consegue investir mais do que R$ 20 milhões por ano, em média, segundo Carvalho.

    Nesse ritmo, Teresina levaria mais de 80 anos para atender 100% da população com oferta de água tratada e coleta de esgoto, ainda de acordo com o diretor –a captação de efluentes atinge atualmente apenas 18% da cidade.

    Além da capital, outros municípios de médio porte, como Parnaíba, Picos e Floriano, serão incluídos no projeto. O modelo de investimento nessas localidades, no entanto, ainda não foi definido.

    Compartilhe: