ÁREA DO ASSOCIADO

  • Conectar-se
  • Em três anos, capital de Mato Grosso transforma saneamento básico

    08/09/2020

    Na dianteira nacional dos investimentos em saneamento básico, a capital mato-grossense vive uma nova realidade em esgotamento sanitário doméstico e abastecimento de água. Os avanços são resultado do investimento de R$ 500 milhões em obras realizadas mediante projetos que atendem às atuais necessidades do município e o preparam para crescer de forma sustentável. Além das ações já realizadas, dentre as quais a construção da Estação de Tratamento de Água Sul, a instalação de 60 quilômetros de redes de água e 147 quilômetros de redes de esgoto, a concessionária Águas Cuiabá, responsável pelos serviços e controlada pela Iguá Saneamento, já está trabalhando na mais nova entrega à comunidade cuiabana: a Estação de Tratamento de Esgoto Lipa. A cidade totalizará, em 2024, a inédita marca de R$ 1,2 bilhão dedicados ao saneamento.

    A ETE Lipa será responsável pelo atendimento a 126 mil pessoas, em 75 bairros da região do Ribeirão do Lipa. Ela está sendo projetada com tecnologia que conta com filtro biológico, que reduz a carga de resíduos orgânicos cinco vezes mais rápido que o modelo convencional. Com sua entrada em operação, prevista para 2021, até 22 toneladas de esgoto deixarão, progressivamente, de ser lançadas, por dia, na natureza – especialmente no Rio Cuiabá. “Outro ganho importante da nova ETE será o fim do lançamento de esgotos no Parque Mãe Bonifácia, um anseio da população, do poder público e da concessionária”, pontua o diretor geral da Águas Cuiabá, William Figueiredo.

    A capacidade de tratamento da estrutura será de 260 litros por segundo. Para a coleta do esgoto, serão instalados 262 quilômetros de redes, com obras em bairros como Jardim Alvorada, Ribeirão do Lipa e Duque de Caxias.

    E os avanços em esgotamento sanitário não ocorrerão apenas nessa região. No outro lado do município também será construída uma estação de tratamento. A ETE Sul deve começar a operar em 2022. Com capacidade de tratar 150 litros por segundo, ela atenderá, até o final de 2024, 87 mil pessoas. Os 51 bairros contemplados receberão 182 quilômetros de redes coletoras. Com a unidade, 13 toneladas de carga poluidora deixarão de ser lançadas por dia nos mananciais.

    As duas estações de tratamento de esgoto serão edificadas a partir de modernas técnicas construtivas, com a adoção de um método modular, que diminui o tempo de montagem. Estruturas em concreto, equipamentos e tanques em aço, todos pré-fabricados, são transportados diretamente da fábrica para o local de instalação. Esse tipo de tecnologia em engenharia proporciona agilidade na obra, com redução de resíduos de construção e desperdícios. Os projetos vêm seguindo padrões europeus, visando benefícios à população e eficiência energética.

    A ETE Lipa e a ETE Sul trarão, ainda, inovações tecnológicas operacionais, posicionando Cuiabá como uma das cidades com mais alta qualidade no tratamento de efluentes domésticos. “Esgoto tratado significa saúde para a população e preservação dos recursos naturais. É a sustentabilidade na prática, que traz benefícios imediatos e futuros”, observa o diretor.

    A soma das duas novas iniciativas, acrescida das ampliações nos sistemas existentes, fará com que a capital mato-grossense atinja, em 2024, o histórico índice de 91% de coleta e tratamento de esgoto. O resultado, além de cumprir as determinações previstas no Contrato de Concessão dos Serviços de Saneamento Básico de Cuiabá e no Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB), representará uma conquista da população, que poderá desfrutar de mais saúde e qualidade de vida, testemunhando, ainda, ações fundamentais à preservação do Rio Cuiabá e à despoluição do Rio Coxipó.

    Água – Com um sistema de abastecimento que proporciona água tratada e 100% fluoretada a todas as regiões da cidade, a concessionária de saneamento segue empenhada em garantir a qualidade do serviço. Os caminhos para atingir esse objetivo passam por ações em curso no momento, como a substituição de tubulações antigas e o combate às fraudes (gatos), que impactam o fornecimento. Ambas fazem parte do programa de combate às perdas, que é permanente e prioritário.

    Outra significativa medida, que entra em campo já no início de agosto, é a chamada modelagem hidráulica, importante etapa em prol da manutenção e expansão da qualidade dos serviços de fornecimento de água. O objetivo do trabalho é a adequação do sistema de abastecimento, fazendo frente ao crescimento populacional da cidade. Integrando projetos de engenharia, operação e manutenção numa plataforma digital, o projeto de modelagem consiste num amplo escaneamento do sistema, apoiando as tomadas de decisão sobre melhorias, com foco no bem-estar da comunidade e na excelência na prestação dos serviços de saneamento básico.

    Compartilhe: